Empreender: a oportunidade certa pode estar dentro de casa

Conversamos com a fundadora da empresa de velas ecológicas Bright Side, Camilla Marins, para entender como as influências guiaram suas escolhas e como começou seu próprio negócio.

Camila Marins

Em tempos de recessão e crise econômica, ter um negócio próprio pode ser uma boa opção. Mas por onde começar e como garantir o sucesso?

O avanço do empreendedorismo traz ao mercado novas opções de serviços e soluções. Empresas jovens, aliadas à tecnologia e formadas por profissionais com ideias inovadoras estão tomando conta de mercados conservadores, além de criar novos que não existiriam há alguns anos.

Ter espírito empreendedor e coragem para fazer algo diferente, arriscando em um mercado novo, foram alguns dos desafios enfrentados por Camilla Marins.

O começo de tudo

Publicitária por formação, as inspirações sempre guiaram as escolhas profissionais de Camilla. Quando foi necessário escolher o curso que iria prestar na faculdade, não foi diferente.

Camilla: “Escolhi fazer Publicidade e Propaganda devido ao prestígio que tinha pelo publicitário Paulo Salles, pai de uma das minhas melhores amigas e um dos principais dirigentes da indústria no País. Na época, ele era presidente da Salles D’arcy, hoje a então Publicis Brasil.

Durante a faculdade, recebi o incentivo da minha mãe em buscar estágios. Me inscrevi para diversos processos seletivos e, no 2º semestre do meu curso, consegui um emprego na M5 Têxtil, grupo da marca MOfficer.”

Do estágio à gerência

Devido a diversas transições de diretoria na área que Camilla trabalhava, a jovem teve que passar por mudanças de cargos e aprender novas funções. Como isso, adquiriu uma grande experiência e conhecimento sobre negócio, sendo rapidamente promovida até alcançar o cargo de gerente de planejamento de produto têxtil.

Camilla: “Quando estava na faculdade, eu não pensava em trabalhar com planejamento de produto, muito menos na área têxtil. Mas acabei me apaixonando por esse mercado, me dediquei muito e tive reconhecimento, o que me ajudou a conquistar o cargo de gerência.”

Mudar é preciso!

Após seis anos de muito trabalho e aprendizado, além de um crescimento profissional acelerado, Camilla tomou a decisão de procurar um novo emprego.

Camilla: “Eu já ocupava um cargo estratégico na empresa, mas não me sentia desafiada, nem estava num ambiente propício para me desenvolver mais profissionalmente.

Por não ver uma solução em curto prazo, eu decidi ir atrás de algo para acrescentar no meu repertório profissional.

Foi então que decidi cursar o MBA Negócios do Varejo: Estratégia & Gestão, da Fundação Instituto de Administração (FIA).”

A ideia de empreender

A especialização de Camilla em uma das quatro escolas brasileiras a fazer parte do ranking global do Financial Times Executive Education, que classifica as melhores escolas executivas de cursos voltados para negócios, permitiu que novas portas se abrissem, e sua cabeça também.

Camilla: Logo que saí da M5 Têxtil, trabalhei por um ano na Cris Barros, empresa de vestuário feminino. Mesmo assim, não me sentia 100% satisfeita profissionalmente.

Então, após sete anos no mercado têxtil, optei por montar meu próprio negócio e colocar em prática o que tinha aprendido durante os anos de mercado e no MBA, mas até então não tinha ideia do que fazer.”

Ideia e inspiração

Pensar e desenvolver um negócio inovador, ou mesmo se jogar num mercado totalmente novo, não é tarefa fácil. Mas a influência que teve durante seus estudos e na rotina de sua casa ajudaram a empreendedora encontrar seu caminho.

Camilla: “Pelo MBA, fiz uma viagem a Nova York e Ohio para conhecer a gestão das 50 maiores empresas de varejo no mundo, de segmentos variados. Com isso, acabei conhecendo o mercado de velas e defini que o tema do meu trabalho de conclusão do MBA seria o segmento de Velas Ecológicas.

Como já tinha conhecimento sobre este mercado, meu padrasto, que tem o costume de acender velas para tirar o cheiro de fumaça de charuto, me deu a ideia de abrir uma empresa de velas artesanais.

Como sempre gostei de decoração e procurava algo que aproveitasse minha experiência em moda e varejo, apostei na ideia. Além disso, no Brasil é um mercado pouco explorado, com pouquíssimas opções nacionais e com preços justos”.

Nasce um negócio

Em sociedade com sua mãe, Camilla começou a investir em seu negócio e sua ideia saiu do papel.

Camilla:Eu e minha mãe, e sócia, pesquisamos muito sobre o mercado no geral e fomos nos aprofundando em detalhes, como essências, embalagens, matéria-prima, entre outros. Foi então que surgiu a Bright Side, em 2015.

Nós temos um direcionamento jovem, utilizamos matéria-prima diferenciada, essências importadas e priorizamos a qualidade.

Iniciamos nossas atividades por meio de e-commerce, mas lojas de decoração, floriculturas, livrarias e papelarias passaram a se interessar em revender nosso produto, mudando o foco dos negócios.

Hoje nosso foco é atacado. Vendemos nossos produtos em mais de 50 lojas em todo território nacional”.

Vida de empreendedora

Já há dois anos com sua própria empresa, Camilla lembra que não existe um segredo para começar, é preciso ter coragem.

Camilla: “Aconselho a todos os que querem empreender em começar. Não existe uma direção certa ou errada. Tudo te levará a um lugar que, talvez, você não conheça agora, mas você construirá a sua história”.

Você quer saber mais sobre empreendedorismo e conversar com pessoas que desbravaram novos mercados? Cadastre-se na Knowe e encontre um profissional com o perfil que deseja para te ajudar nessa caminhada. Clique aqui.